sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Digam: fazer sexo fumado de maconha é melhor que fazer sexo bêbado?


Pesquisadores da Universidade de Nova York avaliaram como o uso de maconha e do álcool influencia as experiências sexuais e tentaram responder a seguinte pergunta: ‘qual o nosso melhor aliado na cama, álcool ou maconha?’. 24 nova-iorquinos com idades entre 18 e 35 anos de ambos os sexos foram entrevistados,estes já haviam feito sexo sob efeito da maconha e do álcool.

Os jovens foram questionados sobre as principais diferenças entre transar fumado de maconha e bêbado. A maioria dos entrevistados contou que a bebida diminuiu a sensibilidade corpórea durante a relação, mas aumentou a confiança e a vontade de transar. Enquanto isso, a maconha os deixou mais pensativos e melhorou a percepção das sensações físicas. A maconha deu mais prazer.
Grande parte deles também relacionou bebida com arrependimento. Bêbados estão mais suscetíveis a fazerem más escolhas, como conta um homem de 20 anos, voluntário da pesquisa: “Às vezes transo com meninas com quem não transaria se estivesse sóbrio. Sinto que a maconha apenas aumenta a atração e a conexão entre as pessoas, já o álcool causa muitos constrangimentos”.
Os cientistas notaram que as chances de acordar com um desconhecido na cama são menores se você tiver usado maconha. E a explicação é simples: as pessoas bebem em bares, locais públicos, lugares onde há mais possibilidades de parceiros sexuais. Como fumar maconha não é uma atividade tão amplamente legalizada e socialmente aceita, o baseado fica restrito a situações mais privadas e intimistas em que as pessoas geralmente já se conhecem – ok, não é à prova de erros, mas a chance de acertar o nome da pessoa no dia seguinte aumenta.
Os pesquisadores querem replicar a pesquisa em um número maior de voluntários, pessoas não-heterossexuais e indivíduos que fumam e bebem com menor frequência. Mas acreditam que a fama de que o álcool apimenta a relação e dá mais confiança, e de que a maconha torna a experiência mais sensual e sensitiva vá se confirmar nas próximas edições do estudo.
Via SUPER

Fotos da Juju Ferrari